Diário de Bordo #1 — Revendo Taubaté

Publicado por Bruno Urzua em

Hoje começo a registrar os passos do projeto “Revendo Taubaté”, realizado pela minha produtora “Rever Produção”, onde temos eu e Vanessa Toledo como responsáveis.

Esse projeto tem como ideia registrar histórias, asserções sobre pontos turísticos, bens tombados e símbolos da cidade de Taubaté. Ao total temos projetados 11 episódios, o primeiro de apresentação  e mais 10 de pontos diferentes.

Temos locais como Igreja Santa Teresinha, a Praça da Igreja Santa Teresinha, a Igreja Dom Epaminondas, o Mercado Municipal, a Feira da Barganha, a Bica do Bugre, entre outros que serão mostrados neste web-série.

Pois bem, hoje tivemos a primeira experiência de campo do projeto. As 10h da manhã fomos a uma conversa com sr. Benedito Galvão, senhor responsável por um estudo de 35 anos sobre a Igreja Santa Teresinha. O mesmo nos atendeu com muita alegria e simpatia, corroborou com a ideia de que o projeto é bom e necessário para a cidade.

Gostaria de dizer detalhadamente cada parágrafo falado naquela 1h30 de conversa nos bancos da igreja. Infelizmente não lembrarei exatamente e acho que algumas coisas não vale ressaltar em texto, mas sim no vídeo que será feito. Só gostaria de registrar em texto que aquela igreja gótica do início do século XX tem muita história técnica e mística.

O divino imóvel, construído em 1923 teve sua obra 100% concluída em 1953, somando 30 anos de construção. Ela é a primeira Igreja de Santa Teresinha registrada no mundo, seguida pela Igreja de Lisieux, na França. Exatamente! A imponente igreja francesa foi erguida após a taubateana, dado qual o taubateano não tem ideia ainda ou não acredita. Mas nós vamos retificar com dados comprovatórios por documentos oferecidos pelo sr. Galvão, além de um belo documentário que virá em seguida do “Revendo Taubaté”.

1923, ano em que a própria Santa Teresinha foi beatificada, a igreja de Taubaté começava suas obras, seguindo a fala da Santa, que dizia em seu livro autobiográfico que seu lugar era em outros povos e em outro lugar, fora a França. Taubaté é a resposta, mesmo que não descoberta em vida.

Nossa conversa foi arrepiante em inúmeros momentos, onde sr. Benedito nos dava dados e histórias que, se contado por um transeunte qualquer, não seria ouvido e muito menos acreditado. Eu agradeço aqui pelas lindas histórias passadas a nós. Mas ainda tem muito mais para vir e, da próxima vez, será captada por câmeras e microfones, onde eternizaremos tudo que conseguirmos, levando o conhecimento da Igreja que, hoje, não passa invisível aos olhos de quem caminha na praça.

Taubaté, dia 02 de agosto de dois mil e dezessete.
Bruno Urzua, sócio-proprietário da Rever Produções.


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *